sexta-feira, 14 de julho de 2017

Hi, stranger!

Tem um tempo que não nos vemos. Você ainda se lembra de mim? Você me vê no seu passado ou no seu futuro?
Meu querido estranho, quando penso em tudo que poderia ter sido e em como tudo foi, você se arrepende?
Eu não. Querido estranho, você foi, você não existe mais. Você me manteve e quando acabou, sua ausência me fez crescer.
Querido estranho, você não é só um, você é uma repetição constante em minha vida. A cada felicidade, teve uma dor. Para cada adeus um um sorriso, apesar da lagrima escorrendo pelo canto do olho.
É só. Adeus. Não te espero, mas sei que você vai voltar.

sábado, 9 de janeiro de 2016

Mirror, Mirror on the wall...

Nós nunca sabemos de verdade quem são os outros. A ilusão através do querer, do gostar, do odiar, faz com que vejamos só que queremos e não o que realmente é. Aos poucos segredos vão sendo revelados, mas nunca toda a verdade. Acho que isso faz parte do jogo... Toda essa fantasia envolvida, é isso que traz a mágica.
Mas depois do encantamento vem a desilusão, são as doze badaladas para a Cinderela. Se nem ela foi real do príncipio, por que eu seria? Por que alguém seria? Nesse mundo de inverdades e aparências, descobrimos aos poucos que nem os mais próximos são quem sempre foram para nós. Aquela amiga julgadora, é totalmente quebrada por dentro. Aquele cara estranho, acabou sendo o que levou a vida mais normal. O cara apaixonado era na verdade o mais infiel. A menina mais séria, era a mais liberal.
E a mais inteligente, era no fundo a mais burra.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Novos contextos

Mudar nunca foi minha primeira escolha, meu sonho ou minha paixão.  Mudo para não me obsoletar e ser esquecida.
Dizem que a maioria das pessoas tem esse medo, que ser esquecido seria como nunca ter vivido, mas eu discordo. Há uma paz em ser esquecido, porque você não se esquece, logo no seu mundo só haverá você.
Essas pessoas devem ter medo de ficarem sozinhas, devem ter medo de si mesmas e eu só me adapto. O medo é algo bobo, é o que te dá limites, que às vezes precisam ser quebrados. Sozinho.

domingo, 10 de agosto de 2014

Não prometa o que você não pode cumprir

Sei que parece muito cedo, não gosto de me precipitar. Mas também não quero deixar pra cima da hora. Ainda não tenho nada certo, vou vivendo dia após dia na ansiedade de um possível futuro.
Queria também crescer e acelerar a minha vida, parece que de tanto pedir, alguém ouviu e fez com que isso se tornasse realidade. Chamo de "isso" e não sonho. Já foi um sonho, agora não sei bem o que é.
Uma mudança no rumo da viagem, mesa pra um, enquanto no plano era para ser uma festa a quatro.
Talvez tudo isso ainda não faça sentido, espero pelo dia em que eu possa entender, e ria desses dias de medo do novo.
Um dia eu volto...
É uma promessa!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Wonderland

E assim eu me sinto. Meu corpo se fundindo a cama, minha garganta ainda reclama, seguida de vibrações por todo o meu corpo. A luz incomoda, parece avivar minha dor. Tudo vibra sem reconhecer meu estado de inércia.
Na escuridão parece à deriva, rodando num eixo imaginário que me espeta pelo umbigo. Vou parando de sentir meu corpo aos poucos, até que, sem eu perceber a transição, eu acordo em outro mundo.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

The Getaway

Só, sozinha. No frio da indecisão. Na solidão não escolhida. Seu cartão está estourado, pobre menina rica, cheia de sonhos adiados por um mês. Ele a olhava com repudio, como ainda poderia gostar dela.
O amor, segundo ele, era uma contradição de todos seus ideais, ela representava tudo que ele abominava e mesmo assim, a cada sorriso que ela dava, o seu coração disparava em um ritmo frenético. Ele sempre foi liberal, não tinha muito dinheiro, mas não perdia uma passeata, não importa o que era protestado. Defendia o poder das massas, mas apesar de posar como um rebelde, não se aprofundava muito nos assuntos.
Ela não o via, ela tinha mais com o que se preocupar. Posava de patricinha mimada, mas no fundo era uma nerd sozinha, ela não tinha tanto dinheiro assim e batalhava para conseguir o que tinha. Ninguém sabia da sua iniciação científica, e do quanto ela gostava de ser inteligente.
...

domingo, 13 de janeiro de 2013

Don't forget

Um aperto no meu peito, parece que algum ser invisível foi capaz de enfiar a mão e esmagar meu coração com força. Ficou até difícil de respirar. Eu indagava "Por que? Por que?", minha cabeça começou a zonzear, se é que isso é uma verbo. Não sei de mais nada, não sabia de mais nada. A dor tomou conta do meu corpo tão rápido, que as palavras não faziam mais sentido.
O telefone continuava a tocar, a música já estava me irritando. Eu não queria ouvir mais nenhuma palavra. Tentei respirar fundo, encher meus pulmões de ar. Tentei me acalmar, mas nada funcionava. Eu só queria chorar, chorar e quem sabe morrer. Não sabia se aquela dor iria continuar por muito tempo, eu só queria que parasse.
Não deixei nenhuma lágrima cair, apesar da dor do esfaqueamento sentimental. Sofri em silêncio e agora vai ser assim. Vou colecionar cicatrizes, vou ficar quieta. Já falei demais e de nada adiantou. Se você me quer bem, por favor entenda, porque da minha boca não vai sair nem mais um pio.
Você se lembra?

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Fim de semana, eu sei lá

Ano que vem eu vou fazer aquilo. Segunda eu começo isso. E assim o tempo se esvai.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Give my heart a break

Eu não sei o que me faz te amar, só sinto. Eu sinto a sua falta quando você tá longe, mesmo se a gente tiver passado as últimas 24 horas juntos. Eu sinto um arrepio bom quando você segura a minha mão.
Queria que tudo fosse simples, mas a gente complica.