quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"Era para você estar aqui"

Ter ouvido isso da boca de alguém que eu pensava que nem se importava mais comigo foi difícil. Não chorei em nenhum momento da cerimônia (eu e O POVO concordamos em não chorar na colação - o grande momento de choro em conjunto e falsidade), mas tevê partes em que eu bem quis. Não de alegria por meus coleguinhas de infância estarem se formando, mas porque realmente, era para eu estar lá.
Lógico que foi ótimo voltar, às vezes acho que foi errado eu ter saído e quem sabe - se eu estudasse muito - eu poderia ganhar a cobiçada pena de ouro. Tá tô começando a viajar, afinal fui uma das poucas que sempre passou direto - lá - apesar de ter apenas notas medianas ou apensas boas. Mas eu também seria Bacharel em Ciências e Letras - seja lá o que isso signifique hoje em dia - e teria passado 7 anos da minha vida num mesmo lugar, com as mesmas pessoas.
A parte da falsidade - que não existe só nessa formatura - deve-se ao fato de todos falarem com todos, mesmo se nesses 7 anos nunca terem trocado um simples oi, além de discurssos que falam da união e da amizade, eu com os meus 4 anos e meio de colégio pude perceber os momentos de tensão. Ainda mais quando chamaram a Karen para seu discursso de oradora, não entendi ainda a história completa, mas esse ano ela ganharia o prêmio de mais odiada e sem amigos, e só de zoação votaram nela para ser oradora. Ela fez um discursso até que bonito - esteticamente, com citações de Fernando Pessoa e sobre a amizade e o tempo que passaram juntos - só que ano passado eu acreditaria em tudo que ela falou, mas esse ano foi vazio, além do silêncio que se formou em quanto eu falava, com apenas aplausos da platéia que desconhecia o fato.
Se eu fosse ela, eu tentaria fugir da estética de "SOMOS TODOS UMA FAMÍLIA FELIZ" e tiraria meu óculos cor-de-rosa para dizer algumas verdades.
Afinal, existem grupinhos e nem todos se falam, muita gente ali pode não fazer falta quando você parar de ver diariamente, mas que no futuro quem sabe essas pessoas que você não conseguia conviver vão ser as que vão se tornar sua próxima família. Eu sempre fico no meio dessas coisas de grupinhos e tenho que escutar todos os lados, e posso dizer que não tem fundamento essa coisa de um ser contra o outro, talvez motivos bobos. Se todos passassem a me odiar e mesmo assim me colocasse com oradora no dia da formatura, eu não daria a eles palavras bonitas... Eu daria a verdade que eles tanto querem ignorar nesse dia.

Falsidades, Grupinhos ou essa tal "Família Feliz", eu sinto falta do que eu vivi e das coisas que eu não presenciei lá no Pedro II.

2 comentários:

Himawari Kunogi disse...

chorando baldes agora.. eu sei exatamente o que você sente, e um pouco mais.. da minha parte tem o arrependimento cruel de ter largado essa vida e a minha família, que eu tinha formado naquele lugar, por um mundo cruel que não se preocupa com você.. e dói mais ainda perceber o que o tempo longe fez com a minha familia.. agora só resta um..

Magé disse...

Que triste, Taila +_+
Eu não quero que na nossa colação seja assim. "/